Concórdia

21 ago 19 | 16h10 Por André Krüger

Demora e estrutura precária do IML de Concórdia voltam a ser motivo de reclamação

Familiares de Douglas Favaretto, morto em acidente no começo da semana, reclamam da situação

Demora e estrutura precária do IML de Concórdia voltam a ser motivo de reclamação
Imprimir

Mais uma vez, a demora do trâmite para a liberação de corpos pelo Instituto Médico Legal de Concórdia voltou a pauta. Familiares de Douglas Favaretto, morto nesta semana em acidente de trânsito no Contorno Viário Norte, procuraram a Rádio Aliança para reclamar da demora e das condições estruturais da atual sede do IML em Concórdia. 


Em entrevista a Rádio Aliança, o irmão da vítima, Diego Favaretto, salientou que foram necessárias aproximadamente 10h para a liberação do corpo do IML para os atos fúnebres e sepultamento. O corpo do irmão deu entrada às 23h da segunda-feira, dia 19, e só liberado por volta das 09h da terça-feira, dia 20.


Os exames cadavéricos só foram iniciados às 7h30 porque não havia iluminação artificial suficiente para esse procedimento. De acordo com Diego, não havia luz o suficiente para a funcionária preencher os documentos, sendo necessário chegar perto da janela para ter luz natural nas primeiras horas da manhã. Ele também reclamou da falta de estrutura para receber os familiares, que estavam aguardando a liberação do corpo para os atos fúnebres.


O corpo de Douglas Favaretto foi sepultado na tarde da terça-feira, dia 20, na comunidade de Tiradentes, interior de Concórdia. Ele foi a única vítima fatal do acidente envolvendo três veículos no contorno norte, próximo do trevo de acesso a UNC. Ele dirigia um Fiat Uno, placas de Concórdia, que se envolveu em colisão entre uma Saveiro e uma motocicleta. O condutor da moto, de 21 anos, está internado na UTI e o motorista do utilitário sofreu apenas ferimentos leves.

21 ago 19 | 16h10 Por André Krüger

Demora e estrutura precária do IML de Concórdia voltam a ser motivo de reclamação

Familiares de Douglas Favaretto, morto em acidente no começo da semana, reclamam da situação

Demora e estrutura precária do IML de Concórdia voltam a ser motivo de reclamação

Mais uma vez, a demora do trâmite para a liberação de corpos pelo Instituto Médico Legal de Concórdia voltou a pauta. Familiares de Douglas Favaretto, morto nesta semana em acidente de trânsito no Contorno Viário Norte, procuraram a Rádio Aliança para reclamar da demora e das condições estruturais da atual sede do IML em Concórdia. 


Em entrevista a Rádio Aliança, o irmão da vítima, Diego Favaretto, salientou que foram necessárias aproximadamente 10h para a liberação do corpo do IML para os atos fúnebres e sepultamento. O corpo do irmão deu entrada às 23h da segunda-feira, dia 19, e só liberado por volta das 09h da terça-feira, dia 20.


Os exames cadavéricos só foram iniciados às 7h30 porque não havia iluminação artificial suficiente para esse procedimento. De acordo com Diego, não havia luz o suficiente para a funcionária preencher os documentos, sendo necessário chegar perto da janela para ter luz natural nas primeiras horas da manhã. Ele também reclamou da falta de estrutura para receber os familiares, que estavam aguardando a liberação do corpo para os atos fúnebres.


O corpo de Douglas Favaretto foi sepultado na tarde da terça-feira, dia 20, na comunidade de Tiradentes, interior de Concórdia. Ele foi a única vítima fatal do acidente envolvendo três veículos no contorno norte, próximo do trevo de acesso a UNC. Ele dirigia um Fiat Uno, placas de Concórdia, que se envolveu em colisão entre uma Saveiro e uma motocicleta. O condutor da moto, de 21 anos, está internado na UTI e o motorista do utilitário sofreu apenas ferimentos leves.