Concórdia

04 set 19 | 18h17 Por Jocimar Soares

De janeiro até junho 2.600 pacientes não compareceram às consultas de especialidade

Mesmo com a fila de espera e ausência dos pacientes, cinco especialidades estão com as filas zeradas e outras 12 especialidades realizam consultas em até dois meses.

De janeiro até junho 2.600 pacientes não compareceram às consultas de especialidade
Imprimir

Dados da Secretaria de Saúde revelam que de janeiro até junho, 2.600 pacientes não compareceram às consultas médicas de especialidade, e não avisaram previamente o não comparecimento, número que corresponde aproximadamente 50% do total da fila de espera para este tipo de serviço. Cada paciente que falta, é um a mais esperando na fila, já que o SISREG, sistema online da saúde, não permite encaixes. Apesar da espera em alguns serviços, cinco especialidades estão com as filas zeradas e o atendimento deixou de ser somente por ordem de chegada, levanto em conta também a urgência e o risco do paciente.


O serviço público de saúde do município disponibiliza ao ano mais de 35 mil consultas em especialidade à população de Concórdia, garantindo assim, seu acesso à saúde de qualidade e atendimento especializado com os melhores profissionais da região. Para este ano, estão sendo disponibilizadas 2.283 consultas em especialidade por mês, isso são 27.396 consultas em especialidade contratualmente previstas para 2019, em 25 especialidades. Constam na fila de espera 4.840 pacientes, e das 25 especialidades oferecidas, 12 possuem filas de espera de no máximo dois meses e 5 possuem filas de espera zeradas. 


 Nas filas maiores, o principal problema é a ausência de profissionais especialistas em Concórdia, frente à demanda apresentada, pois não há mais prestadores com interesse em manter-se credenciados no Sistema Único de Saúde – SUS para atender os pacientes. 


A Secretaria Municipal de Saúde, considerando que os principais pontos que geram filas de espera hoje são a ausência de profissionais e as faltas dos pacientes, vêm-se de forma permanente buscando credenciar profissionais para atender no Sistema Único de Saúde e também iniciou no ano de 2018 a Campanha “Nós queremos atender você”, onde houve a conscientização da população sobre a necessidade de comparecer ao atendimento e desmarcar a consulta antecipadamente nos casos de ausência. 


(Fonte: Lana Correa Pinheiro/Jornalista - ASCOM)


04 set 19 | 18h17 Por Jocimar Soares

De janeiro até junho 2.600 pacientes não compareceram às consultas de especialidade

Mesmo com a fila de espera e ausência dos pacientes, cinco especialidades estão com as filas zeradas e outras 12 especialidades realizam consultas em até dois meses.

De janeiro até junho 2.600 pacientes não compareceram às consultas de especialidade

Dados da Secretaria de Saúde revelam que de janeiro até junho, 2.600 pacientes não compareceram às consultas médicas de especialidade, e não avisaram previamente o não comparecimento, número que corresponde aproximadamente 50% do total da fila de espera para este tipo de serviço. Cada paciente que falta, é um a mais esperando na fila, já que o SISREG, sistema online da saúde, não permite encaixes. Apesar da espera em alguns serviços, cinco especialidades estão com as filas zeradas e o atendimento deixou de ser somente por ordem de chegada, levanto em conta também a urgência e o risco do paciente.


O serviço público de saúde do município disponibiliza ao ano mais de 35 mil consultas em especialidade à população de Concórdia, garantindo assim, seu acesso à saúde de qualidade e atendimento especializado com os melhores profissionais da região. Para este ano, estão sendo disponibilizadas 2.283 consultas em especialidade por mês, isso são 27.396 consultas em especialidade contratualmente previstas para 2019, em 25 especialidades. Constam na fila de espera 4.840 pacientes, e das 25 especialidades oferecidas, 12 possuem filas de espera de no máximo dois meses e 5 possuem filas de espera zeradas. 


 Nas filas maiores, o principal problema é a ausência de profissionais especialistas em Concórdia, frente à demanda apresentada, pois não há mais prestadores com interesse em manter-se credenciados no Sistema Único de Saúde – SUS para atender os pacientes. 


A Secretaria Municipal de Saúde, considerando que os principais pontos que geram filas de espera hoje são a ausência de profissionais e as faltas dos pacientes, vêm-se de forma permanente buscando credenciar profissionais para atender no Sistema Único de Saúde e também iniciou no ano de 2018 a Campanha “Nós queremos atender você”, onde houve a conscientização da população sobre a necessidade de comparecer ao atendimento e desmarcar a consulta antecipadamente nos casos de ausência. 


(Fonte: Lana Correa Pinheiro/Jornalista - ASCOM)