ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Empresária pode ter caído em golpe ao inserir créditos no celular de "juiz"
O fato aconteceu em Piratuba nesta semana
Publicado 15/05/2019
 

Por Cristiano Mortari

Um homem pode ter aplicado um golpe em uma empresária de Piratuba. Em uma ligação, ele conseguiu convencer a vítima a inserir R$ 100,00 em créditos no celular dele. O fato aconteceu no início desta semana.

 

 De acordo com as informações da empresária, o homem ligou no estabelecimento, se apresentou como juiz de direito e solicitou a entrega de uma flor para a esposa. Ele alegou que seria aniversário de casamento e que o presente precisava ser entregue no Batalhão da PM, onde uma secretária passaria buscar. “Ele relatou que estaria completando 10 anos de casamento e que não teria como passar aqui pegar a flor. Me passou o nome de um tenente que estaria no Batalhão, e pediu que eu deixasse com ele. Também falou que uma secretária iria pegar a encomenda lá”, conta ela.

 

Ainda de acordo com a empresária, ela não desconfiou, pois é um procedimento normal, na loja dela, o pedido e entrega de flores. Porém, a ligação do “juiz” foi feita para o telefone fixo da empresa, e caia a todo momento. “Estava muito ruim, aí ele pediu meu WhatsApp para facilitar. A gente iniciou a conversa pelo aplicativo e ele pediu que eu inserisse créditos, prometendo pagar o valor junto com a flor”, detalha ela. “Fui até a farmácia ao lado e a atendente é que falou com ele, para pegar os dados do telefone que precisava de créditos. Ele solicitou os R$ 100,00 e eu acabei autorizando”, lamenta.

 

A dona da loja desconfiou que se tratava de golpe quando o homem pediu mais créditos. Ele alegou que o valor não havia sido inserido na linha dele. A empresária ligou na Polícia Militar e constatou que não havia nenhum tenente com o nome mencionado pelo estelionatário. Os policiais a alertaram sobre o golpe e a orientaram a fazer um Boletim de Ocorrência.

 

A empresária também contou que depois de inserir os R$ 100,00, o homem não ligou mais, não solicitou as flores e não apareceu para pagar o valor do crédito.

COMENTE