ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Foto: Divulgação/Canal Rural
Setor leiteiro ainda calcula prejuízos provocados pela greve dos caminhoneiros
Estima-se que sete milhões de litros de leite foram jogados pelo ralo, por dia, durante a paralisação.
Publicado 05/06/2018
 

Por Jocimar Soares

O setor leiteiro foi outro que sofreu com os impactos da greve dos caminhoneiros, encerrada no último dia 31. Com a falta dos transportes, muitas propriedades jogaram fora a produção. Conforme entidades ligadas ao setor leiteiro, acredita-se que a perda de produção em Santa Catarina tenha sido de sete milhões de litros por dia, o que acarretou em prejuízos financeiros que ainda estão sendo calculados e que devem chegar na casa dos milhões de reais.


Em entrevista ao Jornal Primeira Hora da Rádio Aliança desta terça-feira, dia cinco, o presidente da regional da Associação Catarinense de Criadores de Bovinos, ACCB, Leonardo Resmini, destaca que a categoria entrou em estado de pânico. "Não não vivemos um momento bom e tivemos que desperdiçar o produto", completa.


Resmini explica que, durante a paralisação, a produção dos animais continuou e os estoques das propridades ficaram cheios, sendo que na maioria dos casos o produto acabou estragando e foi jogado fora. Para o presidente regional da ACCB, o trabalho de limpeza e de alimentação dos plantéis continuou, ou seja, o produtor deixou de receber pelo leite jogado fora e os custos continuaram, contribuindo para o prejuízo.


Embora a região Oeste de Santa Catarina responda por 70% da produção leiteira do estado, acredita-se que as perdas foram minimizadas. O motivo é a existência de pequenos laticínios, que conseguiram absorver parte da produção que estava retida nas propriedades. Mesmo não tendo problemas com os bloqueios, essas pequenas industrias não possuem capacidade de armazenamento, o que fez com que o restante do leite fosse jogado pelo ralo, já a partir do quarto dia de paralisação dos caminhoneiros.

 

COMENTE