ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Santa Catarina amplia exportações de carne suína para China, Chile e Argentina
Em abril Santa Catarina respondeu por 52,8% do faturamento brasileiro com as exportações de carne suína
Publicado 09/05/2018
 

Por André Kruger

As agroindústrias de Santa Catarina estão ampliando as exportações para China, Chile e Argentina. Em abril, os três países foram os principais destinos da carne suína produzida no Estado – respondendo por 70,3% do faturamento com as exportações do produto. O incremento nas vendas para outros países têm minimizado os efeitos do embargo russo para as carnes brasileiras.

 

No último mês, Santa Catarina respondeu por 52,8% do faturamento brasileiro com as exportações de carne suína. O Estado embarcou 20,4 mil toneladas do produto, gerando US$ 49,1 milhões em receita. A quantidade vendida foi 20,2% menor do que em março e o faturamento teve uma pequena queda de 3,7% - explicada pelas compras de produtos com maior valor agregado.

 

Segundo o secretário da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, a tendência é de reacomodação de mercados, o que contribui para restabelecer os volumes exportados pelo Brasil e Santa Catarina. “Como o Brasil exporta carnes para mais de 150 países, enquanto algumas portas se fecham, outras se abrem. Temos carnes de alta qualidade, com custos competitivos e empresas com sólido relacionamento e tradição no mercado internacional, as expectativas são de continuidade no crescimento das exportações a médio e longo prazo”, ressalta.

 

No acumulado do ano, o Estado vendeu 91 mil toneladas de carne suína com receitas de US$ 193,2 milhões. Santa Catarina responde por 46,7% do total exportado pelo país em 2018.

 

Principais mercados

 

O principal destino para carne suína catarinense é a China, que ampliou o valor das importações em 232,6% em abril – em relação ao mesmo período de 2017. O país adquiriu 8,5 mil toneladas do produto por US$ 22,4 milhões. Aliás, a China vem se consolidando como o maior comprador de carne suína de Santa Catarina. Só este ano foram 81,6 mil toneladas vendidas para o país asiático.

 

O Chile e a Argentina também aumentaram as importações da carne suína catarinense. Em abril, as vendas para os dois países geraram faturamento de, respectivamente, US$ 6,5 milhões (aumento de 81,5%) e de US$ 5,6 milhões (aumento de 153,1%).

 

Carne de frango

Em abril, Santa Catarina exportou 59,8 mil toneladas de carne de frango, gerando US$ 133,3 milhões em receitas. Uma retração de 28,6% na quantidade e de 7,3% no faturamento em relação ao mês anterior. Os principais destinos foram Japão, China e Países Baixos.

 

O desempenho abaixo do esperado é resultado da queda nas vendas para a Europa. Em abril, os países europeus compraram 7,3 mil toneladas de carne de frango, rendendo US$ 21,2 milhões – uma diminuição de 53% na quantidade e de 37,8% no faturamento em relação a abril de 2017. Airton Spies explica que esses são os primeiros reflexos da suspensão de algumas plantas frigoríficas pela União Europeia.

 

No acumulado do ano, o Estado já embarcou 279,2 mil toneladas de carne de frango, faturando mais de US$ 514 milhões. Santa Catarina responde por 22,4% das exportações brasileiras do produto.

 

Os números foram divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa) considerando os valores exportados de carne in natura, industrializada e miudezas.

 

Fonte:ASCOM

 

COMENTE