ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Foto: Divulgação Internet
Sindicatos ainda tentam fechar acordo coletivo
Pagamento do almoço e das horas extras para quem trabalha aos sábados à tarde são os principais assuntos da pauta
Publicado 11/04/2018
 

Por Analu Slongo

O Sindicato dos Comerciários e o Sindilojas deverão se reunir na próxima semana para dar os encaminhamentos sobre a convenção coletiva dos trabalhadores no comércio de Concórdia. Os principais assuntos da pauta são o pagamento do almoço e das horas extras para quem trabalha aos sábados à tarde.

 

A presidente do Sindicato dos Comerciários, Janete Peccini, que representa os trabalhadores, diz que está insistindo nesse encontro. “A gente não pode deixar de pagar o almoço e as horas extras porque o trabalhador já tem uma renda baixa”, ressalta. Ela ainda reclama que já se passaram três meses de 2018 e o acordo ainda não foi formulado. “Temos trabalhadores sendo tratados de formas diferentes e isso não é interessante”, acrescenta.

 

O Sindicato dos Comerciários também é contra a alteração de contrato de alguns funcionários. Segundo Janete, algumas pessoas trabalham sete horas e 20 minutos durante a semana para completar a carga horária no sábado, sem receber hora extra.

 

O presidente do Sindilojas, Leocergio Sarturi, que representa a classe patronal, comenta que são poucas as empresas que não estão pagando o almoço para quem trabalha aos sábados. “Fizemos um levantamento e das 10 redes que temos em Concórdia, duas lojas não estão pagando o almoço, o que envolve 12 pessoas. Estamos em contato e vamos estudar esse assunto”.

 

Conforme Sarturi, a maior preocupação é com as empresas que estão excedendo o limite de duas horas extras diárias. “Isso é um problema que como patronal temos que nos preocupar. Tem que trabalhar oito horas e mais duas ou quatro e mais duas. A CLT não mudou”, pontua o presidente.

 

 

COMENTE