ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Foto Divulgação Internet
Eleição presidencial já tem 14 pré-candidatos
A grande dúvida é quem será o nome apoiado pelo Partido dos Trabalhadores
Publicado 11/04/2018
 

Por Analu Slongo

O registro das candidaturas para quem pretende estar nas eleições de outubro ocorre em agosto, mas vários nomes já são apresentados para a disputa da presidência da República. Até o momento, a eleição presidenciável já tem 14 pré-candidatos oficializados e dentre os concorrentes há ex-presidentes, senadores, deputados e ex-ministros.

 

A lista conta com Álvaro Dias, do partido Podemos, que foi eleito em 2014 pelo PSDB do Paraná. Ciro Gomes, do PDT do Ceará, vai concorrer ao cargo de presidente pela terceira vez. O senador e ex-presidente da República Fernando Collor vai concorrer pelo PTC. O PSDB oficializou no último dia 20 a pré-candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

 

Guilherme Boulos será o representante do PSOL, o deputado Jairo Bolsonaro, que está sétima legislatura como deputado federal, é o pré-candidato do PSL, e o João Amoêdo é o representante do Partido Novo. Figuras já carimbadas como José Maria Eymael do PSDC e Levy Fidelix, do PRTB, deverão disputar novamente a eleição.

 

Três mulheres se apresentam como candidatas presidenciáveis. Marina Silva voltará ao cenário político, desta vez pela Rede Sustentabilidade, a deputada estadual do Rio Grande do Sul, Manoela D’Ávila, será a candidata pelo PCdoB, e Vera Lúcia, do PSTU. Ainda fazem parte da lista de pré-candidatos o ex-presidente do BNDS, Paulo Rabello de Castro, do PSC, o presidente da Câmara dos Deputados, e Rodrigo Maia, do DEM.

 

O MDB, do presidente Michel Temer, ainda não oficializou um nome, mas afirma que terá candidato em 2018. O ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, se filiou à sigla.

 

A grande dúvida é quem será o nome apoiado pelo Partido dos Trabalhadores. Mesmo após a prisão do líder dos petistas, o ex-presidente Lula, o PT diz que vai manter a candidatura dele, que possivelmente será enquadrado na Lei da Ficha da Limpa e ficará inelegível.

 

As convenções para a escolha dos candidatos deverão ser realizadas no período de 20 de julho a cinco de agosto. A data limite para o registro de candidaturas junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é 15 de agosto.

O registro das candidaturas para quem pretende estar nas eleições de outubro ocorre em agosto, mas vários nomes já são apresentados para a disputa da presidência da República. Até o momento, a eleição presidenciável já tem 14 pré-candidatos oficializados e dentre os concorrentes há ex-presidentes, senadores, deputados e ex-ministros.

 

A lista conta com Álvaro Dias, do partido Podemos, que foi eleito em 2014 pelo PSDB do Paraná. Ciro Gomes, do PDT do Ceará, vai concorrer ao cargo de presidente pela terceira vez. O senador e ex-presidente da República Fernando Collor vai concorrer pelo PTC. O PSDB oficializou no último dia 20 a pré-candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

 

Guilherme Boulos será o representante do PSOL, o deputado Jairo Bolsonaro, que está sétima legislatura como deputado federal, é o pré-candidato do PSL, e o João Amoêdo é o representante do Partido Novo. Figuras já carimbadas como José Maria Eymael do PSDC e Levy Fidelix, do PRTB, deverão disputar novamente a eleição.

 

Três mulheres se apresentam como candidatas presidenciáveis. Marina Silva voltará ao cenário político, desta vez pela Rede Sustentabilidade, a deputada estadual do Rio Grande do Sul, Manoela D’Ávila, será a candidata pelo PCdoB, e Vera Lúcia, do PSTU. Ainda fazem parte da lista de pré-candidatos o ex-presidente do BNDS, Paulo Rabello de Castro, do PSC, o presidente da Câmara dos Deputados, e Rodrigo Maia, do DEM.

 

O MDB, do presidente Michel Temer, ainda não oficializou um nome, mas afirma que terá candidato em 2018. O ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, se filiou à sigla.

 

A grande dúvida é quem será o nome apoiado pelo Partido dos Trabalhadores. Mesmo após a prisão do líder dos petistas, o ex-presidente Lula, o PT diz que vai manter a candidatura dele, que possivelmente será enquadrado na Lei da Ficha da Limpa e ficará inelegível.

 

As convenções para a escolha dos candidatos deverão ser realizadas no período de 20 de julho a cinco de agosto. A data limite para o registro de candidaturas junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é 15 de agosto.

 

COMENTE