ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Votação ocorreu nesta quarta-feira, 21 de março / Foto: Divaléia Casagrande/ASCOM Câmara
Aprovada a suplementação para obras de asfalto
Os R$ 10,5 milhões do excesso de arrecadação em 2017 serão destinados às pavimentações urbanas e rurais
Publicado 21/03/2018
 

Por Analu Slongo

“A partir de agora as máquinas vão roncar em Concórdia”. A fala é do vereador da base governista, Anderson Guzzatto (PR), durante discurso sobre a votação do projeto do Executivo que destina R$ 10,5 milhões do excesso de arrecadação de 2017, para obras de asfalto urbano e rural. O projeto de suplementação de recursos foi aprovado em primeira votação por todos os vereadores na sessão desta quarta-feira, 21 de março.

 

Evandro Pegoraro (PT) diz que a agilidade na aprovação da suplementação representa um voto de confiança dos vereadores ao governo. “Essa é a prova de que somos diferentes em Concórdia. Podemos ter diferenças ideológicas, mas em projetos importantes mostramos que queremos o bem para a sociedade”.

 

Anderson Guzzatto, que preside a Comissão de Finanças na Câmara, se manifestou sobre os recursos em caixa deixados pelo ex-prefeito João Girardi (PR), os R$ 33 milhões que foram alvos de muitos debates. “Em momento algum foi citado que a antiga administração não deixou recursos em caixa. O que foi muitas vezes questionado era o que estava livre para investimentos”.

 

O líder da bancada do PT, André Rizelo, fez um discurso mais enfático, pedindo agilidade nos trabalhos. “O dinheiro sempre existiu e os R$ 33 milhões estavam em caixa. Tinha alguns empenhos, mas isso é de conhecimento de toda a população”, pontua. Rizelo ainda afirma que está faltando ação do governo. “Prefiro não acreditar que isso é o novo, porque isso é a velha política para mim”.

 

O presidente da Casa, Artêmio Ortigara (PR), justifica que não foram realizadas obras no ano passado porque a lei de cobrança da contribuição de melhorias precisava de ajustes. “A sociedade almeja pelas obras e já chegam tarde. Agora temos legalidade para implementar essas obras”. O presidente ressalta que a nova legislação foi aprovada pelos vereadores em dezembro de 2017 e o prazo de 90 dias para entrar vigor encerrou na semana passada.

 

Claiton Casagrande (PR) diz que a liberação dos recursos veio em boa hora. “Pode ser com atraso, mas na questão legal foi o momento certo para se fazer as licitações”.

 

Closmar Zagonel (MDB) pede que os pedidos feitos pelos vereadores sejam atendidos. “Esperamos que essas licitações sejam lançadas o mais rápido possível e que as obras iniciem ainda no primeiro semestre”.

 

Edno Gonçalves (PDT) também falou sobre a importância de destinar esse dinheiro para as obras. “A gente sabe que foi um ano parado em relação às obras e melhorias, mas queremos o melhor para a cidade. Quando fizemos as cobranças são para que venham esses projetos que beneficiem os cidadãos”, frisa.

 

Primeiras obras

 

O governo municipal ainda não divulgou a relação das obras que serão feitas com esse dinheiro. A informação extraoficial é que na primeira fase serão contempladas as ruas Canadá, no bairro das Nações; Renostro, no Flamengo; Auri Pereira da Costa, no Loteamento Vitória; Gilmar José Ampese, no Frei Lency; Rua das Enseadas, no bairro Natureza; Silvino Chiarini e Jairo Goss, no Industriários; e Thereza Vanzo, no Poente do Sol.

 

 

COMENTE