ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Foto: Divulgação Internet
TST autoriza Correios a cobrar dos funcionários mensalidade do plano de saúde
Trabalhadores, que estão em greve, são contra a cobrança de mensalidade. Decisão do TST vale até julho de 2019
Publicado 13/03/2018
 

Por Analu Slongo

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu nesta segunda-feira, 12 de março, alterar as regras do plano de saúde dos Correios e autorizar a cobrança de mensalidade dos funcionários da estatal e de seus dependentes. Ontem, os funcionários dos Correios entraram em greve por tempo indeterminado em protesto a essa mudança.

 

Agora, a estimativa é que 30% do custo do plano de saúde será pago pelos servidores e 70% pelos Correios. As mensalidades variam de acordo com o salário do servidor:

  • Até R$ 2,5 mil: 2,5% do salário
  • R$ 2,5 mil a R$ 3,5 mil: 2,9% do salário
  • R$ 3,5 mil a R$ 5 mil: 3,2% do salário
  • R$ 5 mil a R$ 10 mil: 3,5% do salário
  • R$ 10 mil a R$ 15 mil: 3,8% do salário
  • R$ 15 mil a R$ 20 mil: 4,1% do salário
  • Acima de R$ 20 mil: 4,4% do salário

 

Situação regional

 

Em Concórdia e região os trabalhos continuam normais. A maior adesão ocorreu em Florianópolis, Vale do Itajaí e Norte de Santa Catarina. Há paralisação em praticamente todos os estados brasileiros. Às 11h desta terça-feira, 13 de março, haverá uma assembleia em Florianópolis para decidir qual será o futuro do movimento.

 

A paralisação deverá afetar as entregas e prejudicar os consumidores que dependem dos serviços da estatal postal. As contas podem chegar atrasadas. Por isso, os consumidores devem ficar atentos para não perder os prazos de pagamento de fatura.

 

Com informações do G1.com

COMENTE