ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Foto Divulgação Internet
Aumenta a procura por vacina em Concórdia
Morte por febre amarela em Santa Catarina deixa a população em alerta
Publicado 24/01/2018
 

Por Analu Slongo

A confirmação de uma morte em Santa Catarina por febre amarela deixou a população em alerta. Em Concórdia é grande a procura pela vacina nos postos de saúde. A enfermeira chefe da Unidade Sanitária, Mara Sampaio, diz que neste ano já foram vacinadas 176 pessoas e, normalmente, eram aplicadas uma ou duas doses por dia.

 

Na última terça-feira, foi confirmada a morte de uma mulher em Santa Catarina, que contraiu a doença em outro Estado. Segundo informações da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) de Santa Catarina, ela havia viajado para o município de Mairiporã, região Metropolitana de São Paulo, e não era vacinada contra a febre amarela.

 

A recomendação é para que as pessoas que forem para São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Bahia façam a vacina. “Quem não ficar em Concórdia e não for para área de risco, não precisa se preocupar. O ideal é que todos façam a vacina, mas quem não for viajar para esses locais não precisa ser vacinado imediatamente”, explica Mara.

 

A vacina contra a febre amarela deve ser feita a partir dos 9 meses de idade. Uma dose é suficiente para garantir a proteção. A febre amarela é uma doença infecciosa que não é transmitida de pessoa para pessoa. Os principais sintomas são febre de início súbito, calafrios, dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Em casos graves, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Entre 20 e 50% das pessoas que desenvolvem doença grave podem morrer

 

COMENTE