ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Foto: Divaleia Casagrande/Ascom/Câmara de Vereadores de Concórdia.
Contrato com empresa que administra Lar Anjo Gabriel é rompido
Empresa não apresentava negativas para poder receber os recursos.
Publicado 12/12/2017
 

Por Jocimar Soares

O atraso nos salários de colaboradores que prestam serviços para a empresa que administra o Lar Anjo Gabriel foi assunto abordado na tribuna da Câmara de Vereadores, na noite desta segunda-feira, 11. A informação recente é do líder do governo, Fabiano Caitano (PSDB), que durante esta segunda-feira, o contrato com a empresa foi rompido e um contrato de emergencial será feito.

 

“A empresa que ficou em segundo lugar não aceitava fazer o trabalho pelo atual valor. Apesar de não poder ser uma exigência legal, existe um pedido para que os atuais servidores possam ser absorvidos pela nova empresa”, destacou Caitano que esclareceu que a empresa que administra o Lar não estava conseguindo apresentar em dia as negativas de débito, para poder receber o repasse público, da Prefeitura.

 

O vereador Evandro Pegoraro (PT) disse que foi procurado pelos colaboradores que trabalham no lugar estão preocupados, porque a empresa não teria feito o pagamento do total dos salários de outubro e novembro. “Nós sabemos que existe todo um tramite legal, mas este é um trabalho essencial”, disse ao ressaltar que a questão já vem sendo tratada há alguns dias.

 

O vereador Closmar Zagonel (PMDB) afirmou que o município deveria “buscar uma espécie de valor calção destas empresas para evitar situações sobre como esta, onde os funcionários são prejudicados”.

 

O vereador e presidente da Câmara, Artêmio Ortigara (PR) destacou que o município cobra das empresas o valor calção, além de toda a documentação de regularidade como depósitos de FGTS, recolhimento de INSS. “Existe todo um cuidado com as contratações, mas infelizmente em alguns casos não tem como impedir e ter um outro controle”, destacou ao listar uma série de documentos exigidos para contratação com o serviço público.

 

(Fonte: Divaleia Casagrande/Ascom/CVC)

COMENTE