ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Integrantes das escolas de samba participaram do Mesa Redonda na manhã desta sexta-feira / Analu Slongo
Escolas de samba já estão com temas definidos
Trajetória do Galo do Oeste e “o Bem e o Mal” serão assuntos levados para a Avenida
Publicado 27/10/2017
 

Por Analu Slongo

As escolas de samba de Concórdia já estão intensificando os preparativos para o Carnaval de 2018. Os temas que serão abordados já estão definidos. A escola Matriz do Samba, campeã neste ano, vai trabalhar o tema “o Bem e o Mal”. A trajetória e as conquistas do Concórdia Atlético Clube, o Galo do Oeste, serão transformadas em samba pela Unidos da Alegria. A Império Guerreiro não vai participar do Carnaval no ano que vem.

 

Na manhã desta sexta-feira, 27 de outubro, o representante da Liga, Neuri Garghetti, os presidentes de escolas Cleimar Fantin e Ronaldo Ritter e a carnavalesca Cati Ferri participaram do programa Mesa Redonda, da Rádio Aliança, e falaram sobre a organização do evento. A Liga das Escolas de Samba não vai trabalhar na organização do próximo Carnaval. A justificativa é a falta de recursos para promover a festa. “Vamos auxiliar apenas as escolas. Nosso trabalho será do barracão para dentro”, afirma o presidente da Liga, Neuri Garghetti.

 

Em entrevistas ao jornalismo da rádio Aliança em outras ocasiões, o superintendente da Fundação Municipal de Cultura, Júlio Gomes, afirmou que a Prefeitura não vai organizar o Carnaval de 2018. Os representantes das escolas ainda esperam que essa decisão seja revista. “Fazer o Carnaval sem a organização da prefeitura é como disputar um jogo sem arbitragem”, diz o presidente da Império Guerreiro, Cleimar Fantin.

 

A carnavalesca da escola Unidos da Alegria, Cati Ferri, comenta que é necessário que a administração municipal ou a Fundação de Cultura se envolvam na organização da comissão artística. “É importante para as escolas se isentarem porque o Carnaval também é uma competição e não podemos interferir nesse julgamento”, destaca.

 

O presidente da Matriz do Samba, Ronaldo Ritter, diz que as escolas criaram o regulamento, mas pretendem entregá-lo à equipe da Prefeitura de Concórdia. “Nós não queremos ter contatos com os jurados para não ocorrer polêmicas”, enfatiza Ronaldo.

 

COMENTE