ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Após a restauração, moinho será ponto de visitas / Foto: Olíria Locatelli
Moinho do interior de Lindóia pode virar atração turística
Projeto de restauração já existe e em breve a prefeitura vai licitar o trabalho
Publicado 16/05/2017
 

Por Cristiano Mortari

Um moinho colonial que fica na Linha Maria Guinter e está desativado há cerca de 30 anos, poderá ser um atrativo turístico de Lindóia do Sul. O projeto de restauração está pronto e os recursos estão assegurados.  Para que a Prefeitura possa fazer investimentos no local, o terreno onde o moinho está construído será doado ao município. A Câmara de Vereadores aprovou, na última semana, a doação, que será feita pela família Naibo.

 

De acordo com o prefeito em exercício, Flavio Benini, o projeto está sendo trabalhado em etapas. Segundo ele, a preocupação é o número de empresas que se interessem na restauração.  “Temos o projeto de revitalização do espaço pronto, também já há a garantia de R$ 250 mil para o trabalho, viabilizado através do Ministério da Cultura e agora o Legislativo aprovou a doação do terreno. O próximo passo é licitar a obra de restauração. Até o dia 30 de junho lançamos a licitação e torcemos para que surjam empresas interessadas neste trabalho”, comenta ele.  “A gente sabe que não é uma reforma, é uma restauração e tem todo o contexto histórico, por isso estamos trabalhando com cautela. Não é qualquer empresa que pode executar o serviço”, destaca.

 

Esta seria a primeira ação para o desenvolvimento do turismo rural no município. Benini adianta que após a reativação do moinho, a ideia da Administração é desenvolver uma rota com outros atrativos. “Temos mais alternativas também e queremos criar um roteiro com várias opções. No interior do município existem fábricas de cachaça, farinha, geléia, vinho, entre outras”, lembra o prefeito em exercício. 

COMENTE