ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Funcionários são contra o fechamento de agências pelo país / Foto: Divulgação Internet
Trabalhadores dos Correios iniciam greve nacional
Na agência de Concórdia, por enquanto o atendimento está normal
Publicado 27/04/2017
 

Por Analu Slongo

Os trabalhadores dos Correios em Santa Catarina decidiram entrar em greve. Na manhã desta quinta-feira foi realizada uma concentração em Florianópolis, para marcar o primeiro dia de greve da categoria em todo o país. Em Concórdia o atendimento continua normal. Ainda não foi confirmada a adesão dos funcionários dos Correios à greve.

 

A paralisação está ocorrendo porque os trabalhadores são contra o fechamento de agências pelo país, que pode resultar em 25 mil demissões, e a retirada de direitos dos trabalhadores. “Vamos tensionar até que o presidente negocie”, afirma o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Empresa de Correios, Telégrafos e Similares de Santa Catarina (Sintect-SC), Gilson Vieira.

 

Outra reclamação dos trabalhadores é o déficit de funcionários nos Correios, em relação ao aumento na quantidade de objetos postais. Segundo o sindicato, as férias dos empregados foram suspensas pelo período de maio de 2017 e abril de 2018. Além disso, o plano de saúde da categoria deve ter cobrança de mensalidade, cobrança de 50% das despesas totais e de 10% a 30% nos procedimentos bem como cobrança extra por dependente.

 

Crise nos Correios

 

Os Correios enfrentam uma severa crise econômica e medidas para reduzir gastos e melhorar a lucratividade da estatal estão em pauta. O presidente dos Correios, Guilherme Campos, afirmou que a estatal teve um prejuízo estimado de R$ 400 milhões no primeiro trimestre, após ter tido prejuízo anual de cerca de R$ 2 bilhões em 2015 e em 2016. Ele disse ainda que a empresa não tem condições de arcar com sua folha de pagamentos e que demissões de servidores concursados estão em pauta.

Fonte: Globo.com

 

COMENTE